Jorge Mautner O Filho do Holocausto (2012) – Heitor D’Alincourt, Pedro Bial

O documentário narra a trajetória de Jorge Mautner após seus pais —uma austríaca católica de origem iugoslava e um judeu austríaco— fugirem do nazismo, na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial e chegarem ao Rio de Janeiro, no Brasil, no início da década de 1940. Seu nascimento na cidade, seu contato com a cultura brasileira por meio de um jovem negra que trabalhava como babá de sua família e cantava para ele sambas e cânticos de candomblé, sua ida para São Paulo, sua estada em Nova Iorque na década de 1960, suas parcerias com Gilberto Gil, Caetano Veloso e Nelson Jacobina, bem como seu auge no mundo musical são contados pelo filme.

Gênero: Documentário
Direção: Heitor D’Alincourt, Pedro Bial
Roteiro: Heitor D’Alincourt, Pedro Bial
Produção: Canal Brasil
Fotografia: Gustavo Habda
Trilha Sonora: Jorge Mautner
Duração: 93 min.
Ano: 2012

Anúncios

Novos Baianos Futebol Clube (1973) – Solano Ribeiro

Novos Baianos F. C. foi filmado por uma emissora de TV alemã, inédito até hoje no Brasil. O dia-a-dia de Moraes Moreira, Pepeu Gomes, Baby Consuelo, flagrados pelas lentes numa representação dos ícones “ripongas” nos anos 70.  Após saírem da gravadora Som Livre, se fixaram em um sítio de Jacarepaguá, onde gravaram com a continental o disco Novos Baianos F.C.. Neste sítio, viviam quase em anarquia, em pleno regime militar, dividindo-se entre futebol e música, o que fazia com que eles considerassem o grupo além de uma banda, um time de futebol. O documentário traz  canções que apresentam vários outros gêneros brasileiros como frevo, baião, choro, samba e pitadas de rock n’ roll.

http://cinemacultura.com/?p=9614

Guerrilha Gerador (2013) – Danilo Sevali

GUERRILHA GERADOR – (BRA, 2013) de Danilo Sevali

Em plena efervescência do movimento Ocuppy que sacudiu o mundo nos últimos anos, músicos de Mogi das Cruzes e Sorocaba se juntam para criar um verdadeiro blitzkrieg sonoro.

Utilizando geradores elétricos, eles montam seus shows em praças, ruas, parques ou qualquer outro lugar que lhes pareça possível. Basta que haja uma platéia pronta pra ouvir.

Este documentário retrata uma maneira original de questionar o espaço público, os esquemas do show business e, principalmente, a relação comercial entre a arte e o público.