Iluminados (2007) Cristina Leal

Documentário brasileiro de 2007. Iluminados é um documentário de longa metragem que revela o olhar sobre a fotografia de cinema pelas lentes de alguns dos maiores profissionais da recente cinematografia brasileira. Dib Lutfi, Edgar Moura, Fernando Duarte, Mario Carneiro, Pedro Farkas e Walter Carvalho imprimem um pouco de sua história como fotógrafos e refletem sobre seus trabalhos, dos diretores, do seu cinema em particular e do que a sétima arte representa para o mundo. Iluminados é um desafio? que todos filmem a mesma cena e a partir da escolha pessoal, de um movimento de câmera preferido, e a iluminação particular e equipamento usado revelam seu estilo surpreendente e fotografias pessoais. Título no Brasil Iluminados Título Original Iluminados Ano de Lançamento 2007 Gênero Documentário País de Origem Brasil Duração 100 minutos Direção Cristina Leal Estreia no Brasil 12/09/2008 Estúdio/Distrib. Downtown Filmes Idade Indicativa 12 anos

Anúncios

Os Dias com Ele (2012) – Maria Clara Escobar

Os Dias com Ele não traz uma premissa incomum no documentário, pelo contrário: o filme foca na relação entre a diretora Maria Clara Escobar e seu pai, o filósofo Carlos Henrique Escobar. Através dos traumas pessoais, a narrativa pretende espelhar os traumas da nação, principalmente relacionados ao sombrio período da ditadura militar. As relações família-pátria e público-privado têm constituído o eixo de dezenas de documentários nacionais, e este é mais um exemplar da boa qualidade deste grupo de obras.

O perfeito cozinheiro das almas deste mundo (2011) – Matias Mariani

O videodocumentário abaixo trata da edição do livro O perfeito cozinheiro das almas deste mundo, de Oswald de Andrade (o grande homenageado da Flip 2011). Conta com depoimentos de Marília de Andrade, filha de Oswald, Marisa Moreira Salles e Jorge Schwartz, que participaram do projeto editorial de 1987. Leia mais: http://www.blogdoims.com.br/ims/o-per…

A elaboração coletiva, em forma de diário, é resultado de encontros em uma garçonnière mantida pelo escritor e amigos em 1918, no centro de São Paulo. Os frequentadores, entre eles Guilherme de Almeida, Vicente Rao, Leo Vaz, Monteiro Lobato e Daisy – única mulher e uma das grandes paixões de Oswald -, registravam suas observações com bilhetes, receitas, poemas e desenhos.
O livro, esgotado, foi publicado em 1987 em tiragem limitada pela editora Ex-Libris, e apoio do IMS, com um projeto gráfico cuidadoso, preservando detalhes como colagens e dobras.